Itinerância de dança do Palácio das Artes levou espetáculo ao Museu de Congonhas

O Museu de Congonhas foi o primeiro destino do programa Itinerância de Dança da Fundação Clóvis Salgado. A Cia de Dança Palácio das Artes apresentou nesta quarta-feira, o espetáculo “Nuvens de Barro”, montagem inspirada no universo lírico de Manuel de Barros. Com direção coreográfica de Fernando Martins e direção cênica de Joaquim Elias e Fernando Martins, o espetáculo é uma coreografia criada de maneira colaborativa entre os bailarinos da Cia de Dança em que coisas se humanizam e pessoas se coisificam.

O público se encantou com movimento da dança contemporânea, do jogo de luzes, com uma apresentação lúdica e leve, além disso, a lua cheia presentou a noite no anfiteatro.

O espectador Diovane Souza se impressionou com o que viu. "O espetáculo me surpreendeu. Saí emocionado. Fazer arte e cultura é isso, é você surpreender e ser surpreendido". 

O nome da coreografia também é uma alusão às metáforas de Manoel de Barros. A ideia foi de unir dois elementos que já possuem um significado explícito e criar um terceiro, quase irreal ou inimaginável. A nuvem transmite a leveza, o lado delicado do trabalho. Já o barro é a parte mais pesada, mais palpável.

O espectador Diovane Souza se impressionou com o que viu. "O espetáculo me surpreendeu. Saí emocionado. Fazer arte e cultura é isso, é você surpreender e ser surpreendido". 

O regente da Cia. De Dança Palácio das Artes, Cristiano Reis, achou belíssimo o espaço do Museu de Congonhas. “O espetáculo foi criado com dois elencos para justamente termos a mobilidade de levarmos para outras cidades, e Congonhas foi a primeira cidade contemplada. Além disso, é um espetáculo criado para todas as idades, desde crianças até idosos. O público daqui, é especial”, disse.

Fonte: Comunicação Museu de Congonhas )