Museu de Congonhas inicia segunda temporada do Programa de Formação em Mídia-Educação

 

Iniciativa será voltada para educadores dos distritos de Congonhas e Ouro Preto

 

O Museu de Congonhas inaugura o programa “Museu para Todos” com a segunda temporada do “Programa de Formação em Mídia-Educação”. A iniciativa tem patrocínio da CEMIG, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Governo de Minas Gerais. Este ano, os educadores colocarão em prática tudo o que foi aprendido nas capacitações ministradas em 2017. As atividades serão realizadas nas escolas dos distritos de Lobo Leite, em Congonhas, e do Mota e Miguel Burnier, ambos em Ouro Preto.  

 

Neste sábado, 10, às 9h, será lançada a temporada 2018 do programa com as presenças, além do curador do projeto e gerente geral do Canal Futura, João Alegria, os professores Leonardo Cardarelli Leite, do curso de Design da PUC-Rio, e Greiton Toledo de Azevedo, especialista em educação matemática e professor da rede pública e particular de ensino, em Goiânia. O evento será aberto a todos os educadores de Congonhas e região.

 

Com o tema “Aulas invertidas de Matemática: Games contra a doença de Parkinson”, Greiton abordará durante sua palestra o processo formativo de alunos do Ensino Fundamental para além das práticas usuais de sala de aula de matemática, envolvendo a produção de jogos digitais e seu uso com pacientes de Parkinson.  Ao longo da palestra será citado também o projeto Mattics, nas quais as atividades são realizadas, norteadas por ideias construcionistas, pela robótica e materiais de eletrônica. 

 

Já Leonardo Cardarelli irá tratar sobre o papel do educador quando os alunos são os protagonistas no processo de aprendizagem, em particular apresentando as atividades de um grupo de criação de jogos formado de maneira espontânea e de atuação independente, dentro de uma universidade. 

 

Os palestrantes 

 

Leonardo Cardarelli Leite:  Mestre em Design pela PUC-Rio, onde é professor do curso de graduação em Design há 10 anos. É pesquisador na área de jogos e atualmente mentora um grupo interdisciplinar de desenvolvimento de jogos. Além de educador, atua também como designer freelancer com ênfase em projetos interativos e audiovisuais.

 

Greiton Toledo de Azevedo: É professor da rede pública e particular de ensino. Graduado em matemática pela UFG (Universidade Federal de Goiás), tem especialização em educação matemática e mestrado em educação em ciências e matemática. Escreve livros paradidáticos para ensino fundamental 1 e presta assessoria para a Revista Nova Escola. Em 2016, conquistou o Prêmio Nacional Educador Nota 10 com o projeto “Matemática e games? Eis a questão!”.

 

João Alegria: Gerente Geral do Canal Futura e curador do Programa. Atua como professor de graduação da PUC Rio, tendo iniciado sua atividade docente na universidade junto ao Curso de Especialização em Mídia, Tecnologia da Informação e Novas Práticas Educacionais, oferecido pela Central de Cursos de Extensão da universidade. Desde 2011 é professor do Quadro Complementar do Departamento de Artes e Design, na habilitação de Design em Mídias Digitais, contribuindo com as disciplinas de Projeto Final, Projeto Avançado Produção e Distribuição e Distribuição Audiovisual. 

 

O Programa 

 

O projeto, após primeira temporada voltada para a formação de pedagogos, agora se volta para a aplicação prática do conteúdo em novas mídias nos distritos de Ouro Preto (Miguel Burnier e Mota) e Congonhas (Lobo Leite). “Nosso objetivo com esse programa é que os professores possam se atualizar, se formar, e se interessar cada vez mais para usar em recursos pedagógicos e tecnológicos na sala de aula”, explicou João Alegria. 

 

Apostar em um novo modelo pedagógico, que estimule o uso da tecnologia em sala de aula, mas que vá além disso e, de fato, conscientize profissionais da educação sobre as possibilidades de transformação da experiência escolar: este é o objetivo do Programa de Formação em Mídia-Educação do Museu de Congonhas. Este é o primeiro projeto do gênero a ser implantado no interior de Minas. 

O caráter inédito da proposta está relacionado à organização de um programa de formação continuada com foco nos profissionais de educação do município e da região, e agora se ampliando aos distritos de Congonhas e Ouro Preto, para que possam, no tempo correto, descobrir e se envolver com as possibilidades de trabalho com uso de recursos de tecnologia. O que se pretende é contribuir para uma mudança conceitual na forma de compreender a educação e a sala de aula, estimulando a percepção do nível de tecnologia e de inteligência já disponíveis nesse espaço, e que os próprios professores consigam pensar transformações. 

 

Em 2017 o programa agregou muito conhecimento aos educadores da Rede Municipal de Ensino de Congonhas levando ao Museu de Congonhas renomados profissionais da área como José Brito (PUC-Rio), Rian Rezende (PUC-Rio), Maria Inês Delorme, Natália Menhem, Marina Carvalho, Bernardo Brasil, Gabriela Onrnellas, entre outros. 

Fonte (Comunicação Museu de Congonhas)