Exposição de Burle Marx resgata a história de Congonhas

Há 43 anos um grande artista plástico, paisagista e arquiteto esteve em Congonhas: Roberto Burle Marx, que por meio dos  seus conhecimentos profissionais conseguiu concluir um trabalho de extrema importância para a cidade, que foi a restauração dos Jardins dos Passos no Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos. Burle Marx transformou o jardim dos Passos em uma verdadeira obra de arte.

Em homenagem a esse artista e com o intuito de resgatar essa história, o Museu de Congonhas recebeu nessa quinta-feira, 30 de novembro, dia em que o IPHAN completou 80 anos, a abertura de uma exposição inédita: “Burle Marx – Entre as cúpulas brancas dos Passos”, uma realização conjunta do Centro Cultural Sítio Roberto Burle Marx, do IPHAN, e que em parceria com o Museu de Congonhas, ficará no Centro Cultural até o final de março do ano que vem.

Estiveram presentes no evento a Superintendente do IPHAN em Minas Gerais, Célia Maria Corsino, o Chefe da Divisão Técnica do Centro Cultural Sítio Burle Marx, Marlon da Costa Souza, o prefeito de Congonhas, Zelinho de Freitas, o espanhol Luís Sardá, responsável pelo Design e Expografia da mostra, e alguns secretários municipais. Marlon explicou que o jardim passará por uma revitalização e que “essa exposição veio para Congonhas com o intuito de agregar valor ao local e para que as pessoas conheçam quem foi Roberto Burle Marx.” 

Célia Corsino, do IPHAN, diz que se sente honrada em poder comemorar os 80 anos do Instituto com a abertura de uma exposição tão grandiosa para Congonhas. "Esperamos que seja o início de mais uma parceria com o IPHAN para que possamos retomar o projeto do Jardim dos Passos. Burle Marx foi um artista múltiplo e aqui temos um pouco do que ele foi. Queremos que as pessoas entendam o que é preservar um sítio histórico. Congonhas além de ser patrimônio nacional é patrimônio mundial", disse. 

 

Exposição

A mostra traz uma inédita leitura curatorial da obra do artista, em diálogo com o espaço externo, onde está localizado um de seus mais belos jardins em Minas Gerais. Estão expostas gravuras, pinturas e esculturas pertencentes ao Sítio Burle Marx, com a intenção de instigar o espectador a compreender o pensamento deixado pelo paisagista nos Jardins do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos. A intenção é a de revelar como Burle Marx, a partir de aspectos figurativos presentes no início da trajetória visual, foi desconstruindo a forma, até criar um pensamento estético capaz de o inspirar em seus projetos paisagísticos.

Fonte (Comunicação Museu de Congonhas)