01 (1).png
05.png

Visite o Museu de Congonhas: história, arte e cultura nas suas férias

Adaptada aos protocolos de segurança em saúde, a instituição recebe turistas e população local nas férias de julho

Focado na missão de ser um dos principais Centros Culturais na região da histórica Cidade dos Profetas, o Museu de Congonhas está de portas abertas para receber turistas e os congonhenses, atento a todos os protocolos de saúde necessários nesses novos tempos. Com a entrada do município na Onda Amarela do Programa Minas Consciente, e a recente conquista do Selo Evento Seguro, a instituição está retomando integralmente as suas atividades.

O Museu de Congonhas é o primeiro museu de sítio histórico do Brasil. O espaço faz uso de recursos de alta tecnologia para oferecer informações relevantes para que o público entenda e reflita sobre a grandiosidade e importância do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos. A exposição permanente trata das manifestações da fé no passado e no presente. Um dos principais acervos é a coleção Márcia de Moura Castro. Composta por 342 ex-votos e Santos de Casa que pertenceram à colecionadora e foram adquiridas pelo Iphan em 2011. Outro acervo importante é a Coleção Fábio França, uma biblioteca de referência no Brasil sobre o barroco, a arte e a fé. Em cartaz no Museu de Congonhas também está a exposição temporária "Minas reaGis", que foi gestada e nasceu em meio a pandemia pelas mãos talentosas do multiartista e mediador do Museu de Congonhas, Marcelo Heidenreich.

A recepção aos visitantes agora conta com aferição de temperatura, área reservada a espera com distanciamento dos atendentes, totem com álcool em gel e controle de entrada do número de pessoas. A limpeza da expografia também foi reforçada e o fluxo de visitação repensado para não haver aglomerações, tudo para garantir segurança tanto para funcionários quanto para os turistas. A instituição, que elaborou protocolo próprio para se proteger contra o Covid-19, conquistou o Selo Evento Seguro e em breve realizará também eventos culturais presenciais.

Congonhas também conta com o Museu de Imagem e Memória que, assim como o Museu de Congonhas, também está funcionando observando tais protocolos. Esta instituição, localizada em um casarão na tradicional “Ladeira” de Congonhas, tem como proposta guardar e divulgar a história da cidade. A atual montagem expográfica tem como eixo central o processo de “urbanização” local, percorrendo desde o século XVIII até a efetivação da emancipação política, e apresenta ainda a vida e obra de importantes personalidades congonhenses.

Os centros culturais estão funcionando de 9h às 17h, de terça-feira a domingo. O ingresso para entrada no Museu de Congonhas pode ser adquirido a R$10,00, sendo que estudantes e pessoas acima de 60 anos pagam meia entrada e crianças até 11 anos não pagam. Às quartas-feiras, o Museu de Congonhas oferece gratuidade para todos os públicos, já o Museu de Imagem e Memória tem entrada gratuita todos os dias.

Além da visitação presencial, o projeto #MCoEmCasa, que já alcançou centenas de milhares de pessoas virtualmente, segue no ar com ampla agenda cultural podendo ser acessada nas páginas do Facebook (@museudecongonhas), Instagram (@museusdecongonhas) e site da instituição (www.museudecongonhas.com.br). Para todas essas ações, o Museu de Congonhas conta com o patrocínio da Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.