08 de outubro de 2016
 
Itinerância de Artes Visuais da FCS recebe 35 mil visitantes em Congonhas

Após três meses aberta à visitação e com público de mais de 35 mil visitantes, a exposição Recorte: Acervo da Fundação Clóvis Salgado, que ocupou o Museu de Congonhas, está sendo desmontada nessa terça-feira (4) e segue agora para Barbacena, na região do Campo das Vertentes.

Ao promover a itinerância de seu acervo, a FCS procura ampliar a interlocução cultural com os territórios mineiros, além de garantir que diferentes municípios tenham acesso às atividades culturais que, muitas vezes, ficam restritas à capital.

Recorte: Acervo da Fundação Clóvis Salgado reinaugurou a Galeria Mari’Stella Tristão, no Palácio das Artes, em março deste ano. Foram selecionadas mais de 30 obras, entre pinturas e gravuras, em um recorte contempla obras modernistas e contemporâneas. São obras raras, muitas delas expostas poucas vezes. “Estamos levando produções de notórios artistas mineiros para o berço da produção artística de Aleijadinho, um dos grandes mestres da arte em Minas, senão o maior de todos”, comemora Augusto.
Iniciativa inédita

O Termo de Cooperação Cultural para “Itinerância de Artes Visuais”, que possibilitou essa parceria, foi assinado em maio deste ano, no Palácio das Artes, pelo presidente da Fundação Clóvis Salgado, Augusto Nunes-Filho; pelo prefeito de Congonhas, José de Freitas Cordeiro (Zé Linho); e pelo presidente da Fundação Municipal de Cultura, Lazer e Turismo de Congonhas, Sérgio Rodrigo Reis. Esse encontro marcou iniciativa inédita da FCS em ampliar sua abrangência no estado, ao levar um acervo importantíssimo, com grandes nomes das artes plásticas mineiras de diferentes gerações, para outras localidades além de Belo Horizonte. A proposta é que essa iniciativa funcione como uma via de mão dupla, com a Fundação recebendo trabalhos do interior.


(Fonte:  Palácio das Artes)