Professores adotam smartphones como aliados do ensino

 

Uso das tecnologias foi explorada pelo Programa de Mídia-Educação, iniciativa pioneira implantada em Congonhas; conferência de encerramento terá participação da best-seller Marina Carvalho, da socióloga Natália Menhem e da professora Maria Inês Delorme

 

Congonhas receberá, no dia 24 de junho, das 8h às 18h, mais uma etapa do Programa de Mídia-Educação. A conferência “A sala de aula do tamanho do mundo” reunirá nomes que são referência em educação em todo o país para discutir os desafios e possibilidades de transformar as salas de aula contemporâneas, a partir do uso de aparelhos como smartphones. Participam do encontro o curador do projeto, João Alegria, a escritora e professora Marina Carvalho, a professora Maria Inês Delorme, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e a socióloga Natalia Menhem.

 

Oferecido pelo Museu de Congonhas, em parceria com a Prefeitura Municipal e Secretaria Municipal de Educação e com os patrocínios da Gerdau e da Cemig, esta última por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Governo de Minas Gerais, o Programa de Formação de Educadores em Mídia-Educação busca contribuir para que os educadores Congonhas e dos distritos de Pires e Lobo Leite, além de Mota e Miguel Burnier, distrito de Ouro Preto, se apropriem de conhecimentos e metodologias do uso das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) em sua prática profissional, de modo a transformar e atualizar a experiência da sala de aula vivida por professores e alunos, tornando-a mais interessante e eficaz.

 

Um dos principais ganhos alcançados até o momento, na opinião da secretária municipal de Educação, Maria Aparecida Resende, é a conscientização dos educadores sobre como a tecnologia e equipamentos eletrônicos podem ser converter em aliados do ensino, e não o contrário. “O celular não mais será proibido e, sim, utilizado como ferramenta de apoio e incentivo, de pesquisa e interação, desde que, obviamente, com planejamento didático. Aquela velha regra de que o celular é proibido na escola terá que ser repensada. A projeção para o futuro passa a ser agora, sem dúvida, um novo ressignificar do que seja o espaço da sala de aula e, ao mesmo tempo, que recurso tecnológico utilizar nesse novo espaço, aliado à metodologia de ensino”, analisa.

 

CONFERÊNCIA TRAZ BALANÇO DA INICIATIVA

Nesta conferência, que marca o encerramento da iniciativa, será realizado um balanço das atividades realizadas ao longo dos seis últimos meses e um reforço de todas as atividades previstas para o ano de 2018. De acordo com o curador João Alegria, a resposta dos professores à iniciativa vem sendo extremamente positiva. “Houve uma grande adesão por parte dos professores, e isso é o que vai resultar em uma mudança real nas salas de aula”, avalia. Atualmente, o programa alcança diretamente 170 professores, que atuam como multiplicadores do programa.

 

Em sua apresentação, a socióloga Natália Menhem falará sobre “como a educação está em todos os lugares e como a tecnologia pode ser usada para impulsionar o contato com outros lugares e outras experiências”, explica. Já a professora Maria Inês Delorme abordará as potencialidades oferecidas pela tecnologia. “O que do mundo chega à sala de aula e como, a partir da sala, é possível repensar esse mundo onde vivemos? As paredes da escola e os muros do mundo: os excluídos e os incluídos. Para que existe escola? Por que é importante que ela exista?”, reflete.

 

Para o segundo semestre, será montada uma oficina de projetos voltada aos professores interessados em desenvolver propostas a partir do conhecimento apreendido durante as oficinas promovidas. O trabalho será acompanhando por um grupo de tutores, com encontros quinzenais, até o encerramento do ano.

 

CONHEÇA OS CONVIDADOS DA CONFERÊNCIA

Natália Menhem fez um intercâmbio acadêmico na Universidade de Bologna e se formou em Ciências Sociais pela UFMG em 2010. Sua trajetória profissional é diversa, tendo começado em uma consultoria de licenciamento ambiental e passado por gerir sua própria empresa com foco em projetos de impacto socioeconômico. Realizou projetos como a Virada Educação em São Paulo, em 2014, e o TEDxBeloHorizonte, de 2012 a 2014. Foi embaixadora da comunidade TEDx no Brasil em 2013 e 2014 e atuou como consultora autônoma para projetos de educação e de impacto social. Desde 2015, atua como Diretora de Marketing da ThoughtWorks Brasil. Em suas experiências relacionadas à educação, fez parte do movimento entusiasmo, que criou a Virada Educação, em 2014, quando se aprofundou no tema de Território Educador. 

 

Maria Inês Delorme é professora aposentada de Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Professora do Departamento de Estudos da Infância da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), doutora em Educação pela PUC-Rio e pós-doutorada em Educação e Ciências da Comunicação, em 2012. Pesquisadora, é também autora de livros sobre crianças e suas Infâncias. 

 

Outro destaque da conferência será a escritor a e professora Marina Carvalho. Mineira de Ponte Nova, atua na área de Língua Portuguesa, Produção de Texto e Literatura na Escola Nossa Senhora Auxiliadora, em Ponte Nova, desde 2008. Já desenvolveu diversos projetos de incentivo à leitura e à escrita junto aos alunos. É coarticuladora do Desafio de Leitura, trabalho implantado em 2010 e que elevou o índice de leitura dos alunos para uma média de aproximadamente dez livros lidos por ano. É escritora best-sellers voltados para o público infantojuvenil, com sete títulos publicados desde 2013 (Simplesmente Ana; De repente, Ana; Elena; Azul da cor do mar; Ela é uma fera; O amor nos tempos do ouro; A menina dos olhos molhados). O oitavo título será lançado na Bienal Internacional do Rio de Janeiro, em setembro. Possui mais de 100 mil exemplares vendidos em todo o país.

Fonte (Etc Comunicação)