Orquestra Flutuar se apresenta no Museu de Congonhas com clássicos da música brasileira

O som das flautas encantou o público presente no Museu de Congonhas na noite desta quarta-feira, 18. Em uma apresentação com sonoridade leve e marcante, a Orquestra de Flautas Flutuar apresentou um repertório variado de músicas eruditas e orquestrais que foi desde Villa-Lobos, passando por Francisco Mignone e Flávio Venturini. Dezesseis flautistas dos vinte que compõem a orquestra fizeram um verdadeiro espetáculo no Museu, que abriu o evento com “Ária da Bachianas No 5”, de Villa-Lobos.

Um momento marcante do concerto foi com a música “Carinhoso”, de Pixinguinha. Muito conhecida pelo público, a canção ecoou de forma saudosista aos ouvidos da congonhense Vera Baeta. “É muito gostoso ouvir o som da flauta ainda mais com uma música de Pixinguinha. Isso me deu uma sensação boa, de recordação, completou.  

A orquestra Flutuar tem 11 anos de existência e não costuma se prender a um repertório específico durante os concertos, se apresentando sempre de maneira espontânea. O repertório e os timbres são formados por diversos modelos de flautas transversais: flautim, flauta, flauta em sol, flauta baixo e flauta contrabaixo.

Alberto Sampaio coordenador e regente da Orquestra disse que “as apresentações são feitas somente com músicas brasileiras. Para o concerto no Museu de Congonhas fizemos uma seleção muito especial com baião e músicas clássicas. O público gosta dessa mescla de ritmos”, explicou.  

O evento foi realizado pela Fundação de Educação Artística (FEA-FLAMA), Sette Câmara & Brandão, Certa Viagens, com apoio institucional da Fumcult e do Museu de Congonhas. Os ingressos custam R$2,00 e poderão ser adquiridos no Centro Cultural.